segunda-feira, 30 de março de 2020

10 dicas comprovadas para você dormir melhor durante a quarentena

O mundo inteiro está em isolamento, fronteiras fechadas, viagens canceladas, home office em massa, empregos ameaçados, saúde dos nossos familiares em risco. Como não perder o sono?
Se você é uma mulher que tem endometriose e sofre com dores crônicas, pior ainda. Inclusive, você sabia que só o fato de ter endometriose pode piorar a qualidade do seu sono? Imagina com toda essa situação incomum mudando a rotina!
Por isso preparamos um guia com 10 dicas comprovadas para que você consiga dormir melhor durante a quarentena.
  1. Estabeleça uma rotina
Quando você não está acostumado a trabalhar em casa, pode ser difícil se adaptar à nova rotina. Ainda mais se você tem filhos ou pets disputando sua atenção com seu chefe. Para completar, o barulho da rua e as atividades domésticas podem transformar sua vida em um caos.
Nessa hora é muito importante se planejar. Coloque no papel suas tarefas para a semana, organize por dia e priorize as mais urgentes e importantes.
Nosso corpo possui um ritmo biológico adaptado de acordo com sinais provenientes do ambiente externo. Precisamos manter essa ritmicidade para ter uma saúde e qualidade de sono melhor.
Tente manter horários regulares de sono e alimentação. Isso vai fazer com que o seu organismo entenda quando é hora de dormir e você vai naturalmente sentir sono na hora certa.
2. Pratique exercícios físicos na hora certa
Praticar exercícios moderados durante o dia melhoram a qualidade do sono e te ajudam a dormir mais rápido. Mas tem hora certa para fazer exercício? De acordo com os especialistas em sono, sim!
recomendação é: se for praticar exercícios rigorosos, faça isso pelo menos 1 hora antes de dormir.
3. Mantenha uma alimentação saudável
A alimentação pode ser sua grande aliada nesse momento. Como?
Manter uma alimentação rica em fibras e pobre em açúcar e gorduras saturadas pode te ajudar a dormir mais, com qualidade.
Lembre-se de tentar comer sempre nos mesmos horários. Essa regularidade ajuda a manter seu ritmo em ordem.
4. Cuide do seu bem-estar
Uma das causas da insônia é a ansiedade. Ir deitar e ficar pensando nas consequências da epidemia, não vão te ajudar em nada.
Tente relaxar a noite. Tomar um banho morno, meditar, ler um livro, fazer uma atividade relaxante, podem ajudar muito a melhorar sua qualidade de sono.
5. Evite se estressar a noite
Ir para a cama com raiva é uma das piores coisas que você pode fazer se quiser dormir bem.
Quando você está estressado, libera um hormônio chamado cortisol, que prejudica a qualidade do sono.
Portanto, evite brigas, assistir notícias pesadas, conversar ou pensar demais nos problemas antes de dormir.
6. Evite consumir álcool e cafeína antes de dormir
Se você gosta de tomar uma cerveja ou café, não tem problema nenhum. Mas faça isso preferencialmente durante o dia.
O álcool pode interferir no sono REM (estágio do sono no qual sonhamos). Você vai sentir que não descansou nada.
A cafeína, por sua vez, vai te deixar ligado. Não é isso que você quer a noite, certo?
7. Vá para a cama SOMENTE quando estiver com sono
Parece simples, né? Mas nem sempre tomamos esse cuidado.
Muita gente usa a cama para trabalhar, ficar no computador ou celular durante horas, ler, relaxar, comer…Se identificou?
A verdade é que a gente deveria usar a cama só para dormir. Esse hábito ajuda seu cérebro a entender que quando você vai para a cama, você está pronto para dormir e vai enviar os sinais adequados para que seu corpo se prepare para isso.
8. Exponha-se ao sol durante o dia
Mesmo dentro de casa, podemos fazer um esforço para tomar um sol durante o dia.
Se você mora em apartamento, pode descer na área comum do prédio, dar uma volta no quarteirão. Se você mora em casa, talvez tenha um quintal. Até abrir as janelas da casa e aproveitar uma frestinha já ajuda.
Essa prática faz com que seu organismo entenda que é dia e vai atuar para sincronizar a secreção de hormônios importantes na regulação do sono.
9. Evite a luz artificial a noite
Essa é a dica mais difícil de seguir. Estamos tão acostumados a estar o tempo todo com as luzes acesas, televisão, computador, tela de celular. Já fazem parte da nossa vida, é inevitável.
O problema é que para quem tem problemas de sono, pode ser prejudicial. A exposição à luz durante a noite causa um atraso na secreção do hormônio melatonina. Esse hormônio atua na regulação do sono e dos ritmos do nosso organismo.
Tente reduzir essa exposição apagando as luzes algumas horas antes de dormir e evitando ficar ao celular. Você pode também usar um filtro de luz azul na tela do celular.
10. Prepara-se para dormir
Antes de dormir, deixe o ambiente tranquilo, apague as luzes, tome um banho morno, use travesseiros e roupa de cama confortáveis.
Esse ritual precisa ser calmo, relaxante, prazeroso. Veja esse momento como seu aliado. Dormir bem vai te ajudar a ter energia para enfrentar um novo dia!
Quantas dessas dicas você já usa em sua rotina de sono? Comente
Compartilhe com todo mundo que você conhece que está tendo dificuldades para dormir!
Artigo escrito por Ana Luiza Dias, Bióloga doutora em Psicobiologia do blog iDEA, voluntária AMO.


segunda-feira, 9 de março de 2020

Exames: Mutirão Gratuito de Ultrassons,

Utilidade Pública




Informamos que no mês de março, teremos vagas disponíveis para os seguintes exames:

USG Transvaginal para rastreamento da endometriose  Março nos dias: 26 e 27/03/20,


Outros

Usg Transvaginal : 12,13 e 14/03/2020 - Manhã e Tarde

Usg Abdomen Total , Rins  e Vias urinárias , Próstata Abdominal : 17,18,19,20,23,24,25 e 26/03/2020 - Manhã e Tarde

Obstétrico : 29 e 30/03 , 01, 02 e 03/04/2020 - gestantes de 18 a 33 semanas

Obstétrico : 19 e 20/03  - gestantes de 10 a 15 semanas - Tarde

Usg Abdmen Total : 28/03/2020 - Manhã

Usg Abdomen : Usg Abdomen Total ( SOMENTE pacientes com Cirrose+ Doenças do Fígado ) Manhã.
Usg Articulação - 14,15,17 e 18/03/2020 - Usg Pé, Tornozelo , Quadril , Joelho , Mão , Punho , Ombro - Tarde

Eco infantil - 13 e 14/03/2020 - Crianças de 0 a 14 anos - Tarde

Colposcopia : 13 e 14/03/2020  - Manhã e Tarde

Usg Pélvico : 30/03/2020  - Manhã

Usg Próstata Transretal - 21 e 22/03/2020  - Manhã

Histeroscopia : 27/03/2020 -Tarde ( Pacientes até 50 anos )

Histeroscopia : 28/03/2020 - Tarde - Pacientes qualquer idade

Histeroscopia : 29/03/2020 - Manhã - Pacientes qualquer idade / tarde : Pacientes até 50 anos

Usg Tireóide : 30 e 31/03/2020  - Tarde

Biópsia de Tireóide : 01/04/2020  -  Tarde


Acessem o link para preencher o formulário para agendamento

Marcar Exame



Edit: Vanessa Martins - Voluntária
Endometriose Mulher / AMO Alencar


 Endotalks
#juntasemumasóvoz #vamojunto

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

A atriz e criadora da série Girls contou o inferno que sofreu após uma histerectomia em 2017


Lena Dunham falou sobre seu vício em calmantes: “Não queria viver mais”
Por El País de España
Publicada: 02/02/2020, 07:50hs.Lena Dunham, em um evento para a cadeia HBO.

“Houve um momento em que eu não queria viver”. Com essas palavras a atriz escritora e roteirista Lena Dunham falou sobre a pior etapa da sua vida. Foi quase há três anos atrás, durante o vicio causado pelos ansiolíticos que tomava durante a recuperação da histerectomia que fez em 2017. Dunham removeu o útero devido a dor intensa causada pela endometriose que os médicos detectaram alguns meses antes.

“Um dia olhei ao redor e estava deitada em uma cama na casa dos meus pais debaixo de dois cobertores, com o mesmo pijama que eu usava há três dias e pensei: “Esta não sou eu”, a atriz conta à revista Cosmopolitan, onde será capa no próximo mês de março. Dunham esclarece que não eram “pensamentos suicidas”, simplesmente “não sentia nada, não queria viver”. Uma situação pessoal difícil que coincidiu com o rompimento com o músico Jack Antonoff, que foi seu namorado por quase seis anos.
Toda essa situação mergulho Dunham em depressão e forte ansiedade que acalmava com Benzodiacepina, uma forma comum de medicação da qual ela se viciou, mas com a qual ela deixava de ser ela mesma. “Me dei conta que não estava somente tomando medicamentos para dor física, mas também para a dor emocional. São uns comprimidos que alteram a química do seu cérebro e de repente você não é você mesmo. Não está presente. Você não é funcional”. Suas dores não acabaram: ela lida com uma fibromialgia e, às vezes, usa uma bengala para combater a síndrome de Ehlers-Danlos que ela também sofre, e pela qual a pele e as articulações são excessivamente relaxadas.
Após a crise, Dunham decidiu fazer uma mudança radical em sua vida e fazem 14 meses que ela comemora que está sóbria. Na entrevista com Cosmopolitan, a estrela da televisão fala abertamente sobre sua relação com Antonoff. “Nos apaixonamos quando éramos muito jovens e nos divertimos muito juntos, mas ambos começamos nossas carreiras e essa foi nossa verdadeira paixão”, reconhece sobre o compositor e líder da banda Bleachers, que agora considera um grande amigo. “Houve momentos em que fui cruel, rude e desagradável, mas ele aceitou maravilhosamente e eu também aceitei sua raiva. O bom é que não tentamos fingir que não tivemos uma história, mas também estamos dispostos a seguir em diante. “O amor que você tem por alguém não desaparece, eu o amo muito, somos muito amigos”.
Precisamente, Dunham também fala em manter-se sóbria na questão amorosa depois de muito tempo, ela conta que saía à noite e ia para casa “com qualquer cara que me pedisse, porque eu sentia que ninguém jamais poderia me amar”. “Estar sóbria para mim significa muito, mais do que simplesmente não consumir drogas, também significa que eu evito de ter relacionamentos negativos. Isso significa que eu deixo de namorar, algo que acho incrível”. Afirma. De fato, ela diz que se encontrasse alguém seria “fantástico”, mas que está comprometida com muitas coisas e que não é esse o tipo de compromisso que procura agora.
Acredito que estou solteira há 14 meses. Eu posso ter beijado um cara em alguma festa, alguma vez, mas não conta. Saio com meus cachorros, com meus gatos. Isso me deixou claro porque acredito que para muitos de nós, o mundo se tornou muito mais positivo como sexo, porque as mulheres jovens, ambiciosas, independentes, temos um relacionamento tenso e complicado com o sexo. Por um lado, nos ensinam a pedir o que queremos. Por outro lado, temos medo de não encontrar ninguém para resolver”. Pensa. Ela afirma, que após esse período, percebeu que não queria entrar em “uma dinâmica” com quem não a fizesse sentir “supersegura”: As pessoas vão dizer agora: ‘Meu Deus, não teve relações com ninguém em um ano’. E eu responderei: ‘Não, foi a coisa mais restauradora que fiz. Os últimos dois anos foram os melhores da minha vida. É difícil alguém estar comigo”.
De fato, outro assunto que ela fala na entrevista é do seu corpo, de como se sentia tremendamente segura com os 22 anos e como depois começou a se olhar no espelho “e a ver mais dor por dentro do que beleza por fora”. Mas, isso ela já superou e está em um momento vital pleno: “É engraçado, provavelmente peso mais do que nunca e passei por muitas coisas físicas, mas me vejo como com 22 anos, do que em qualquer outro momento, porque sinto paz dentro de mim”.
Seus animais de estimação são seus grandes amores e, como ela mesma explica, o trabalho também sempre foi seu principal remédio. Mas, agora está claro que o mais importante é ela mesma. No ano passado ela apareceu em “Era uma vez” em Hollywood , de Quentin Tarantino, lançou um podcasts feminista, produz a séria Generation e em breve começará a gravar um filme. Muito trabalho, sim, mas ela mesma sabe quando parar. “agora, sei dizer à minha equipe, meu gerente, às pessoas com quem trabalho: ‘Hoje não vou mais atender ligações, porque não estou bem’. Aprendi a me cuidar”.

( Fonte: https://tn.com.ar/show/hollywood/lena-dunham )

Tradução:
Vanessa martins
Voluntária na AMO Acalentar

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Endometriose x Infertilidade




A endometriose, doença caracterizada pela presença do endométrio em outras partes do organismo além do útero, pode causar infertilidade.

Cerca de 30% a 40% das mulheres que sofrem de endometriose têm infertilidade. Entre as mulheres com infertilidade, 50% delas apresentam a patologia.
A endometriose causa infertilidade pelos seguintes efeitos: influencia o hormônio no processo de ovulação, e na implantação do embrião; prejudica a liberação do óvulo dos ovários em direção às trompas; interfere no transporte do óvulo pela trompa, tanto pela alteração inflamatória causada pela doença, como por aderências (as trompas "grudam" em outros órgãos e não conseguem se movimentar); alterações no desenvolvimento da gestação; pode interferir no desenvolvimento embrionário e aumentar a taxa de abortamento, entre outros.
Mais de 50% das pacientes têm uma chance maior de engravidar após o tratamento cirúrgico da patologia.
As chances de retorno da doença, mesmo após uma gravidez, são grandes, desde que a mulher não faça nenhum tratamento hormonal pós-gestacional para controle. Como não se sabe o que causa a endometriose, não é possível curá-la e evitar sua volta.
(Fonte: www.guiadobebe.com.br; www.terra.com.br/vida-e-estilo)

Vanessa martins
Voluntária na AMO Acalentar

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

A complexidade ao desenvolver Endometriose - Uma doença heterogênea (processo variável), que afeta mulheres no mundo todo.



Recentemente, foi publicado no periódico 'Jornal Internacional da Ciência Molecular' (original 'International Journal of Molecular Sciences') uma revisão abrangente sobre este importante assunto; embora, muitas vezes, ainda desconhecido. Através de bancos de dados (plataformas de computação) foram feitas buscas de evidências científicas, e esse histórico revelou que a Endometriose não se limita a um endométrio normal transplantado. Com o aprofundamento em termos de linguagem da medicina (como "Etiologia", "Imunologia" "Genética" e "Epigênese Genética"), numerosas diferenças nos níveis de receptores hormonais foram relatadas, ao comparar a Endometriose com Endométrio eutópico, com poucas semelhanças. O desenvolver da doença conta com características de causas histológicas, morfológicas e biológicas.

NOTA: Endométrio é o tecido que reveste o interior do órgão reprodutor feminino (útero), e que se divide em duas partes: a cérvix, ou colo do útero; o corpo do útero, a parte onde se desenvolve o feto no período de gravidez.
 
 O desenvolvimento de Endometriose pode ocorrer através de alterações progressivas no sistema fisiológicos do Endométrio. Observações adicionais sugerem que a doença pode se originar de células-tronco Müllerianas ou não Müllerianas; incluindo as da camada basal endometrial, restos Müllerianos, medula óssea ou peritônio. Nos tecidos (cérvix ou corpo do útero) as células-tronco se regeneram junto as vias hormonais, ciclicamente, desreguladas.

Em caso de suspeita, pode ser feito exame físico, ultrassom (ultrassonografia) endovaginal, exames ginecológicos ou laboratoriais. Os sintomas mais comuns se apresentam como: dismenorreia (dores no período menstrual); dor no baixo abdômen ou cólicas que podem ocorrer por uma semana ou duas, antes da menstruação; dores nas relações sexuais, com penetração.; dores ao urinar e evacuar, especialmente no período menstrual; fadiga; diarreia.

 (fonte: endonews.com, accamargo.org.br, gineco.com.br, minhavida.com.br, Google.com/imagens)


Gabriel Nascimento - Jornalista
Voluntário na AMO ACALENTAR