quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Endometriose É Uma Doença Maligna


A verdade tem que vir a tona, vamos gritar,vamos gritar, vamos gritar

Endometriose é maligna por ser uma doença de muito mal caráter, inclusive e principalmente por trabalhar de uma forma dissimulada, bate e na maioria das vezes esconde a mão. Há muitos sintomas mascarados, inclusive a dificuldade de engravidar,  que levam a  muitas mortes por várias razões, principalmente o suicídio, pois  não é dada a ela a maternidade.   Esses dados não entram nas estatísticas.  A endometriose é grave e maligna*, segundo dicionário do GOOGLE 30/08/2017,13:49 (maligna:designação genérica de qualquer doença de mau caráter). Alguns especialistas dizem que é uma doença mais grave que o câncer ou o HIV, não desmerecendo as outras doenças, porque ela mantem a mulher com endometriose severa em estado de incapacidade pela dor por toda uma vida,  um sofrimento cruel para ela e seus familiares, e não morre se não houver complicações, sendo assim a mulher não descansa e muito menos a família, mesmo que a maioria peça para morrer todos os dias, o que não é mérito delas, é de qualquer ser vivo com dores dilacerantes, que após horas de sofrimento pedem a morte, portanto não julgue se não estiver passando. Como foi dito na entrevista quarenta por cento das mulheres enclausuradas pela dor, corrigindo, este número é o dobro, estas mulheres vivem aprisionadas em seu corpo e torturadas continuamente, sendo bem especifica dor de parturiente. Em uma escala de zero a dez, ela passa de 10.99. Vivem com total instabilidade e muitos medos. Portanto vamos gritar, vamos assinar a petição, vamos lutar, podemos não ter força física, mas temos voz, a mesma voz que ainda dirige a família, somos fortes existimos e devemos ser respeitadas. Aliás não somos fortes, somos os seres mais fortes do mundo. Vem ai uma nova matéria que deixará isto muito claro. Obrigada Jaqueline Stefano pela oportunidade e parabéns pela condução da entrevista. Obrigada Dra. Lidia Myung, Dr. Mauricio Abrão. 



Mulheres portadoras, Familiares, amigos:
Associe-se e participe dos benefícios, o beneficio de ajudar o outro a ter uma medicação, uma hospedagem e um amparo.
Associe-se para participar dos benefícios, como descontos nas parcerias, programas de benefícios gratuitos. E principalmente fazer uma orAÇÃO por seu irmão. Receba sua carteirinha, que identifica como portadora de doença crônica inclusive, o que facilita em muitas situações de incompreensão, já que fisicamente somos as mulheres mais lindas do mundo (Dados de pesquisa).
Associar

Profissionais liberais, empresários patrocinem esta missão.
envie e-mail para mariahelena@endometriosemulher.com
faça sua proposta e seja divulgado em todas as paginas e canais como em objetos e eventos.
Assunto Patrocínio

Empresa do setor de saúde e educação seja parceiro faça convênio conosco.
e-mail contato@endometriosemulher.com
Assunto Parceria

Voluntários profissionais da saúde, administrativos e mão de obra diversas:envie e-mail para contato@endometriosemulher.com
Assunto Voluntário

Diretoras: Mulheres portadoras de endometriose que querem ajudar a cuidar de nossas endoirmãs, fazer parte da Associação mandem e-mail para contato@endometriosemulher. com  Assunto Diretora.



sexta-feira, 11 de agosto de 2017

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

O Artista Transformando a Dor Da Endometriose Em Arte




Dor no Papel
Ellie Kammer está cansada da falta de consciência sobre a endometriose, uma condição ginecológica que muda a vida e debilita, o que afeta uma em cada dez mulheres. Então ela decidiu transformar seu sofrimento em arte, na esperança de que você fale.
Ellie Kammer tinha 24 anos quando foi diagnosticada com endometriose, uma condição ginecológica que ocorre quando o tecido que normalmente cresce dentro do útero cresce em vez disso, colocando as mulheres em dor crônica, muitas vezes excruciante que às vezes resulta em infertilidade. Ainda chocantemente diagnosticada e sub-pesquisada, esta condição é estimada para afetar uma em cada dez mulheres em todo o mundo, e cerca de 2 milhões de mulheres no Reino Unido. Frustrado principalmente pela falta de conscientização, Kammer, um artista baseado em Adelaide, Austrália, coloca escova para tela e faz pinturas espetaculares fora da condição.
Como você descreveria sua experiência de endometriose para alguém que nunca ouviu falar dela? É diferente para todos. Para mim, a dor está sempre lá, a cada minuto de cada dia, o que é limitante em que eu tenho que tomar decisões que eu nunca tinha que fazer e considerar quanto tempo vou gastar em coisas, como quanto tempo vou trabalhar , Ou se eu tenho a energia para fazer-me jantar. Eu tenho que realmente pensar sobre como eu vou trocar minha energia para o dia, se eu posso realmente trabalhar ou eu preciso sentar e descansar o dia todo para que eu possa trabalhar para o resto da semana.
É dor constante, e isso afeta minha mente, como  lidar com situações, e como  falo com as pessoas. Às vezes fico um pouco impaciente, ou simplesmente passo uma conversa inteira focada na respiração através da dor.
Como o diagnóstico mudou sua vida? Isso abalou completamente o meu mundo. Aconteceu em dezembro de 2015, depois de eu ter passado quatro meses na Europa, e eu realmente tinha um aborto. Eu estava com dor física há anos, então o diagnóstico era reconfortante e perturbador.
Eu nunca tinha ouvido falar de endometriose antes, e quando eu comecei a pesquisá-lo, quanto mais eu lia,  mais assustador que se tornou.





























O que os médicos haviam lhe falado sobre sua dor, antes de ser diagnosticado? 
Às vezes eles pensavam que eu tinha apenas períodos muito ruins. Mas o maior problema para mim foi que eu estava tendo sintomas de infecção do trato urinário, então eles mantiveram prescrevendo-me antibióticos - ao ponto que eu desenvolvi uma intolerância aos antibióticos na minha adolescência.
Fui a vários médicos sobre a minha dor e, eventualmente, foi através da descrição dos meus sintomas a um amigo que tinha endometriose - e que nunca tinha me dito sobre isso - que percebemos o que eu tinha soado realmente semelhante. Então eu levei para um médico, investigado, teve cirurgia, e eventualmente foi diagnosticado.
As coisas ficaram melhores para você depois? Recuperar da cirurgia foi um processo muito doloroso, demorou muito tempo para voltar ao normal. Muito rapidamente, comecei a ter os mesmos sintomas novamenteO tratamento é ir em uma forma de contraceptivo, então eu estava na pílula, e então eu também foi incentivado a eliminar certas coisas da minha dieta, como pão, carne e diário, para gerenciar a dor. Recentemente, tive outra cirurgia que se livrou dela, agora está tudo desaparecido e eu realmente me sinto incrível pela primeira vez. Mas ela finalmente cresce de novo - há um monte de mitos em torno de eliminá-la, mas é completamente incurável. Tudo que você pode fazer é tratar o melhor que puder.






























Por que você decidiu transformar essa dor em arte? A experiência que eu tinha se adaptando a ter a doença para o resto da minha vida, e como isolar a desinformação lá fora, me inspirou a informar as pessoas através da arte. É a única maneira que  sei como  comunicar.
Você disse que a coisa mais frustrante de tudo é essa falta de informação.Todos nós sabemos que se os homens tivessem isso, haveria uma carga de pesquisa sobre isso ...Sim, eu tenho que concordar com isso. Sendo uma doença ginecológica, ainda é incrivelmente algo que as pessoas desconhecem falar em 2017. É uma "doença das mulheres", você sabe. Também não ajuda que os sintomas são tão variáveis ​​e é tão difícil de diagnosticar





























Quem são os sujeitos de suas obras de arte? Eles são mulheres capacitadas que eu escolhi porque estavam se abrindo para canalizar minha expressão. Eu coloquei nas mídias sociais, e as mulheres de todo o mundo me contataram querendo me contar suas histórias. Elas realmente se sentiram apaixonados pelo que eu estava fazendo e queriam me ajudar. Então não é mais sobre mim, é sobre o quadro maior. Eu vou fazer mais algumas pinturas para minha exposição em julho, e então eu poderia explorar diferentes facetas da doença.
O que você espera finalmente realizar com as pinturas? Espero que inspirem as pessoas a falar e a criar uma comunidade onde haja um espaço seguro para falar sobre isso. E também, para tocar as pessoas que não sabem sobre a endometriose e informá-los para que eles sabem como lidar com alguém em suas vidas que tem. Achei tão difícil quando passei por isso. Eu já sinto que estou fazendo a diferença porque as pessoas estão falando comigo abertamente sobre isso. Se todo mundo que sofre torna-se um pouco mais confortável falando sobre isso, é assim que fazemos a mudança acontecer.
Saiba mais sobre a arte de Ellie Kammer . Sua exposição solo será aberta em Adelaide's Light Square Gallery em 6 de julho de 2017.  
 Ajude-nos a gritar, #vamosgritarvamosgritarvamosgritar
#juntasnumasovoz Assine e repasse para amigos e parentes, nossa atitude pode mudar o mundo salvando nossas mulheres e crianças até a família. 
#juntasnumasovoz  Assine e repasse aos amigos 
http://www.peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=P2013N34858