quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Um novo medicamento analgésico para a dor crónica está sendo desenvolvido pela Sea4us


Analgésico para a dor crônica criado a partir de organismos marinhos recolhidos no Algarve




Um novo medicamento analgésico para a dor crónica está sendo desenvolvido pela empresa portuguesa de biotecnologia ‘Sea4us’, cujo princípio ativo é fornecido por organismos marinhos recolhidos no mar de Sagres, no Algarve.

“O princípio ativo está identificado, já o conseguimos purificar e, atualmente, existem três fórmulas que têm a atividade analgésica para a dor persistente”, disse à agência Lusa Pedro Lima, neurofisiologista, biólogo e um dos investigadores da empresa.
Iniciada há seis anos, a pesquisa demonstrou resultados eficazes em laboratório no combate à dor crônica, encontrando-se numa fase avançada: “Procura-se um método de sintetizar artificialmente a fórmula para produzir em quantidade, para que o medicamento possa chegar a toda a gente”.
“O processo está a ser trabalhado em conjunto com os químicos da Universidade Nova de Lisboa”, sublinhou o investigador.
Segundo Pedro Lima, a produção sintética “é o caminho preferido, ao representar uma grande vantagem em termos de sustentabilidade ecológica, evitando a retirada de grandes quantidades de organismos marinhos, mesmo que não tenham valor comercial”.
Endometriose MulherDe acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, a dor crônica afeta cerca de 30% da população mundial, para a qual não existe um tratamento eficaz, sem efeitos secundários significativos nos doentes.
O investigador frisou que o projeto desenvolvido em Portugal, “é pioneiro, porque é a primeira vez que se tenta encontrar a solução para a dor crônica no mar”, embora exista muita investigação acerca do flagelo que atinge uma grande percentagem da população mundial.
“É um fármaco de grande eficácia, com efeitos secundários vestigiais, não sendo previsível qualquer habituação ou dependência, atuando especificamente numa proteína localizada nos gânglios neuronais situados fora da coluna vertebral, ao contrário dos opióides e outros medicamentos utilizados no tratamento da dor”, assegurou o investigador.
O organismo invertebrado marinho que contém o princípio ativo para a produção do analgésico, foi identificado no mar de Sagres, um dos dois polos da empresa de biotecnologia, onde se desenvolvem as atividades de mergulho e a triagem e preservação das espécies.
Em Sagres, os organismos são recolhidos, catalogados e imortalizados, seguindo depois para o laboratório da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, para serem efetuados os testes de neuroatividade.
“É retirado um extrato impuro do seu composto, estudado o efeito analgésico, e tenta-se atingir a parte indivisível ou seja, a fórmula que constitui o valor bioativo”, explicou Pedro Lima, acrescentando que, “nesta fase da investigação, existe a convicção de que daqui vai sair uma grande ajuda para quem sofre de dor crônica”.
Contudo, refere, existe ainda um longo caminho a percorrer até que o medicamento possa ser comercializado, "pois são necessários, em média, 12 anos desde a descoberta do princípio ativo até à colocação do fármaco no mercado”.
“Não queremos fazer o caminho todo, mas sim chegar a um ponto em que o valor seja suficiente para mitigar o risco e vender para que possa ser produzido pela indústria farmacêutica”, frisou.
O investigador disse, ainda, que “a pesquisa tem sido possível com os apoios de várias entidades, nomeadamente da Universidade Nova de Lisboa e da Câmara de Vila do Bispo”.
Por seu turno, o presidente da Câmara de Vila do Bispo, Adelino Soares, assegurou que o projeto “vai continuar a ser apoiado, pois é de todo o interesse, não só para quem sofre de dor crônica, mas também para se conhecerem as potencialidades do território”.
“A investigação serve para identificar e criar condições para que as gerações vindouras possam ter aqui uma matéria de conhecimento com elevado rigor científico”, destacou.
Além do desenvolvimento do analgésico para a dor crônica, a ‘Sea4us’ está envolvida na identificação e seleção de espécimes marinhos com potencial para a produção de outros medicamentos, em parceria com laboratórios europeus.


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Estudo Aconselha, Necessário Maior Consciência da Endometriose Intestinal Entre os Médicos

À luz de uma série relato de caso, os pesquisadores argumentam que os médicos devem considerar a possibilidade de que condições agudas do intestino perfurado ou obstruído pode ser causado pela endometriose intestinal.
A endometriose intestinal geralmente acontecendo há algum tempo se apresenta como  dor e cólicas no estômagoO aparecimento da doença como um "abdome agudo", o termo médicos utilizam para os estados agudos de problemas de estômago que requerem cirurgia de emergência, é muito mais raro, e uma consciência entre os médicos sobre as condições podem melhorar a evolução dos pacientes, de acordo com um estudo recente.
O estudo, "aguda Pequena obstrução intestinal e Pequena Perfuração do Intestino como estréia em  clínica de Endometriose Intestinal : Um relato de quatro casos e revisão da literatura", foi publicado na revista Medicina Interna .
Embora a endometriose é uma condição comum, tipos da doença que afeta os intestinos são raros. Tais tipos de endometriose muitas vezes pode estar presente sem quaisquer óbvias sintomas , ou sintomas são erroneamente acredita ser causada por tumores ou doença de Crohn.
Pesquisadores da University Hospital 12 de Octubre em Espanha descreve quatro mulheres em que os médicos não identificaram a presença de endometriose intestinal até a cirurgia.
Três dos quatro pacientes descritos no estudo procurou atendimento hospitalar após um período de náuseas, vômitos e dor de estômago. Uma das mulheres teve diarreia enquanto outros dois foram constipado.
Em dois casos, exames médicos feitos suspeito quer um tumor ou complicações da doença de Crohn. No quarto caso, em que uma mulher teve uma dor de estômago, os médicos suspeita de doença de Crohn.
Todas as mulheres foram submetidas a cirurgia; em dois casos, a cirurgia foi aguda. Duas das mulheres tinham obstruído intestinos, e em dois, os médicos descobriram órgãos perfurados.
Na primeira mulher, os pesquisadores removeram uma longa parte 17 centímetros do intestino delgado, afetada por uma estenose e úlceras.Análise do tecido após a cirurgia confirmou o dano foi causado pela endometriose.

Na segunda mulher, uma parte obstrução do intestino delgado, também foi removido, confirmando endometriose após a cirurgia. A terceira mulher teve problemas mais complexos. O útero tinha sido ligado ao intestino delgado através de uma fístula, e ela teve um abcesso no útero.
A quarta mulher tinha uma grande parte de ambos os intestinos pequenos e grandes removidos, o que foi parcialmente perfurada. Mais uma vez, a endometriose foi confirmada após a cirurgia.
"Acreditamos que, considerando o diagnóstico de endometriose intestinal em mulheres em idade fértil que desenvolvem sintomas gastrointestinais inespecíficos nos ajudará a evitar cirurgias urgentes e oferecer aos nossos pacientes o melhor resultado possível". Concluíram os pesquisadores
Magdalena Kegel. Mestrado em pharmaceutical Bioscience e PhD interdiciplinar em fusão das áreas de psiquiatria, imunologia e neurofarmacologia.

Fonte


Senhores profissionais de saúde



                                            www.magazineacalentar.com



#chegadePStododia

Muitas de nossas mulheres e meninas receberam e estão encantadas com o alívio que o tanyx trás. Fiz questão de mostrar, nada é tão eficiente para a cólica da endometriose. Elas precisam conhecer, eu fiquei eufórica a primeira vez que usei, meu Deus, como é bom ficar sem dor, uso duas a três vezes ao dia hoje. 
Isto por elas. Afinal tudo que trás alivio queremos que nossas amigas também tenham. E isto não tem preço. Maria Helena

 "Ele age na hora, foi muito bom porque eu não aguentava mais, muito obrigada, ". Disse Margo. 

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Ultrassom Transvaginal com Preparo Intestinal para Rastreamento da Endometriose 27 a 29/10/16 (Gratuito)

Informamos  que no período de 27 a 29/10/16, teremos mutirão exames Transvaginal com preparo intestinal,  para pacientes com endometriose.
marque seu exame Click Aqui









ATENÇÃO

Somos todos co-responsáveis. Um por todos e todos por umAssine a petição, esta causa é nossa. Vamos pedir aos amigos e familiares para assinar. Se cada um passar para 10 amigos que passam para 10 amigos, teremos hum milhão rapidamente. Não podemos mais esperar, nossas meninas estão morrendo, e principalmente sofrendo muito. Depende de nós. #vamosgritar, #juntasnuasovoz


 Assine e repasse

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Justiça do Rio Determina que Estado pague Fertilização in Vitro para Mulher Portadora de Endometriose Profunda

Estamos a caminho de uma conscientização, mas ainda temos muito que lutar. Vamos lutar, vamos gritar. Precisamos ser ouvidas agora, já. Vidas estão em jogo e precisamos acelerar nosso movimento, além da dor da perda da fertilidade ainda há as dores e sequelas físicas que anulam milhões de mulheres. Mulheres estas que ficam invisíveis a sociedade por estarem em seus leitos ou incapacitadas. Outras estão sem forças devido as limitações ocasionais. Por favor, eu preciso de vocês, vamos reagir, estou cansada e fragilizada pela dor meninas, preciso que peguem a espada que é a palavra e 
#juntasnumasovoz

Venha conosco, junte sua voz a nossa.
Vamos gritar, vamos gritar, vamos gritar. 

Quem quer Mudança?  Sei que todas queremos.

Mas realmente quem quer mudar? Quantos amigos você tem no face? e fora? 

Você pode assinar e repassar  para seus amigos e pedir que repassem?, somos nós que temos que lutar gente, não adianta chorar, reclamar, xingar, temos que agir. Afinal a dor é sua, a dor é minha, e quem não sente não vai pegar a bandeira e carregar. Se nós mesmos não damos importância há um problema tão grave e que está acontecendo conosco, vamos esperar de quem? Venha conosco agora, repasse no face, no e-mail em todos os canais, e imprima, por onde for colete assinaturas. Nós podemos mudar, mas temos que querer.

Enviem pelo menos para 10 amigos, peça que estes amigos enviem para mais 10 e assim por diante.
Estamos atualizando a petição e vamos colocar ali todos os direitos que precisamos, inclusive pode dar sugestão no comentário abaixo. Ajude-nos a fazer um projeto completo.  Dê a sua sugestão.
 Pegue seu livro
www.magazineacalentar.com
Temos já os temas somando-se: Os mesmos direitos de pacientes com câncer, direito aos estudos in domicilio, direito a ajudador domiciliar, tratamento domiciliar conforme crise, direito a medicamento para dor sem que precisemos implorar por este. Direito de informar palestrar para médicos e enfermeiros e profissionais de saúde em todo o Brasil sobre a realidade e como atender estas mulheres acreditando em sua dor, aprendendo a ouvir para que seja mais rápido o diagnóstico e principalmente respeitando. Como já é feito em vários países. E muitas outras já registrados que pode ajudá-las a viver com dignidade. Envie sua sugestão.
                                                 Assine aqui na imagem abaixo    


Assine aqui, Endometriose como saúde pública


                                                                    Imprima aqui e colha assinaturas, nos envie pelo correio ou , por fotos ou escanneie e envie para mariahelena@endometriosemulher.com



A Justiça determinou que o Governo do Rio de Janeiro pague a fertilização in vitro de uma mulher que não pode arcar com as despesas do tratamento. A decisão rara abre precedente para outras mulheres que sonham em ser mães. Veja video a seguir.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Endometriose já atinge de 10 a 15% das mulheres . Os problemas intestinais e urinários estão entre as complicações que podem surgir


Doença já atinge de 10 a 15% das mulheres em fase reprodutiva. Os problemas intestinais e urinários estão entre as complicações que podem surgir  
São Paulo, agosto de 2016 – A endometriose, doença caracterizada pela expansão do endométrio fora do útero, também pode afetar os tratos intestinal e urinário, mas muitas mulheres não conhecem as consequências causadas pelo distúrbio. Embora seja uma doença que atinge mais de6 milhões de brasileiras53% delas desconhece a endometriose, segundo dados da pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) em parceria com a Bayer.
O endométrio tem como função fixar o embrião quando o óvulo é fecundado, porém quando não há gravidez, essa camada descama e é expelida em forma de menstruação. Esse é o caminho natural, mas se isso não ocorre, é preciso ter atenção.
Além das dores pélvica e durante a relação sexual, menstruações dolorosas e fluxo intenso, a endometriose pode levar a implicações mais severas na região do intestino, chegando a dificultar a evacuação. Quando afeta esse órgão fica caracterizada a endometriose intestinal, do mesmo modo havendo a descamação do endométrio, provocando inflamação, dor, a formação de tecidos cicatriciais e até sangramento.
O Dr. Maurício Abrão, Professor Associado do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), responsável pelo Setor de Endometriose do Hospital das Clínicas da USP e Editor Chefe do periódico internacional “Journal of Endometriosis and Pelvic Pain Disorders”, esclarece que “é importante ter acompanhamento desde a primeira menstruação, porque alguns sinais aparecem ainda na adolescênciaCom o diagnóstico precoce, evita-se o risco de uma fibrose ou até mesmo a oclusão intestinal”.
Na maioria dos casos, as mulheres levam cerca de cinco anos relatando desconfortos até chegar ao diagnóstico final. Recomenda-se observar como o corpo de comporta, especialmente, as mulheres que estão em período reprodutivo, porque a endometriose também pode levar a infertilidade.  Segundo a Febrasgo(Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), a doença acomete de 10% a 15% das mulheres em fase reprodutiva.
O especialista complementa ainda que em alguns casos, a patologia pode atingir a bexiga gerando desconforto ao passar muito tempo sem urinar e até mesmo ter sangramento ao expelir o xixi. “Quanto antes tiver o diagnóstico, mais rápido será realizado o tratamento e menor serão os impactos no dia-dia da paciente. Existem situações de mulheres que ficam impossibilitadas de trabalhar, fazer atividade física ou qualquer esforço, porque as dores são fortes e influenciam diretamente na qualidade de vida, no convívio social e até mesmo no relacionamento com o parceiro, já que a prática sexual fica comprometida".
Embora não se saiba por que motivo a endometriose se desenvolve, estudos indicam a ligação com fatores hormonais, genéticos e até imunológicos. A patologia não tem cura, mas existem opções de tratamentos disponíveis no Brasil. Uma delas é a cirurgia para a retirada dos focos de endométrio, contudo, na maioria vezes, há recorrência do tecido e obriga a paciente a realizar novas cirurgias ao longo da vida.
Outra opção muito indicada é o uso de terapias eficazes no combate à dor. Entre as quais, está o Allurene® (dienogeste), primeiro tratamento clínico de longo prazo, ministrado por via oral com dose única diária, indicado especificamente para endometriose.
Bayer: Ciência para uma vida melhor
A Bayer é uma empresa global focada em Ciências da Vida nas áreas de cuidados com a saúde humana e animal e agricultura. Seus produtos e serviços são desenvolvidos para beneficiar as pessoas e melhorar sua qualidade de vida. Além disso, a companhia objetiva criar valor por meio da inovação. 
A Bayer é comprometida com os princípios do desenvolvimento sustentável e com suas responsabilidades sociais e éticas como uma empresa cidadã. Em 2015, o grupo empregou cerca de 117 mil pessoas e obteve vendas de € 46.3 bilhões. Os investimentos totalizaram € 2.6 bilhões e as despesas com Pesquisa & Desenvolvimento somaram € 4.3 bilhões. Esses números incluem os negócios de polímeros de alta tecnologia, que foram lançados no mercado de ações como companhia independente nomeada Covestro, em 06 de outubro de 2015.
Para mais informações, acesse www.bayer.com.br http://www.bayer.com.br/
Informações à imprensa Bayer | Burson-Marsteller
Fonte 

Like Face