A VERDADE SOBRE ENDOMETRIOSE QUE NINGUÉM VÊ OU QUER VER

endometriose Hoje, 3 de dezembro, é o dia mundial das deficiência invisíveis. Como a minha. Gostaria de dedicar este pensamento a todas as "pessoas", e eu escrevo entre aspas ironicamente porque não as considero essas mas as considero como esterco, que nos últimos anos têm gozado a minha doença, a minha dor física e moral, subestimaram as minhas condições De Saúde (a propósito: no dia 16 de dezembro eu volto na sala de cirurgia pela sexta vez em três anos), eles fazem piadas humilhantes no meu handicap, fingiram ser amigas. tentaram de todas as formas falar mal entre as rodas embora sabendo tudo de mim. Aqui está: saibam que existimos nós também #disabiliinvisibili, não somos Alex Zanardi, não somos Beatriz vio ou todos estes campeões de vida que elogiadas (com razão) nos vossos post. Somos pessoas anônimas, desconhecidas, que sofrem, que gritam sem ser ouvidas. Que sofrem humilhações e afrontas e não podem fazer nada. Eu estou doente. Sou uma mulher que sofreu três amputações: intestino, ampola retal e bexiga. Quatro exportações parciais: Ureter Sx, útero, vagina e ligamentos útero-Lombares. Tenho os nervos lombares tão estragos que se eu não tivesse incluído um neuro estimulador na coluna, não posso desempenhar as minhas funções corporais de forma independente. A minha doença não tem cura. Fico por aqui, não estou a listar as mil coisas que não posso mais fazer, porque não quero piedade. É agora que você perceba que as consequências da #endometriose não são piadas. Aqui trata-se de incapacidades permanentes, de órgãos amputados que não permitirão mais uma existência normal. O seu não reconhecer nós deficientes invisíveis é a demonstração da sua ignorância e, sobretudo, da sua mesquinhez. Não se ri nunca do sofrimento dos outros. Nunca. #Giornatamondialedelledisabilitainvisibili #Iosonodisabileinvisibile #Rompiamoilsilenzio CHEGA: #vamosgritar, #vamosgritar, #vamosgritar ASSINEM E REPASSEM A PETIÇÀO, PEÇA AOS AMIGOS QUE AJUDEM. #juntasnumasovoz não #vamosassinar, #vamosagir.

Obrigada Suzana Pires e Julio Fisher

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

ENDOMETRIOSE E SEXUALIDADE


          Saúde da Mulher              

ENDOMETRIOSE E SEXUALIDADE


                                                                     


Olá meninas fiquei um tempo sem escrever, mas agora estou de volta com fé em Deus e força total.
Tentei trazer para vocês hoje um texto simples que nos ajudará e muito sobre a nossa sexualidade. Como todos nós sabemos que a endometriose tem várias formas de explicação é uma condição onde o tecido que reveste a parede do útero, o endométrio, cresce em outras regiões do corpo, causando dor, sangramento e em alguns casos infertilidade. As células endometriais aparecem em locais inadequados como nos ovários, trompas, reto, útero, causando irritação nas áreas vizinhas. Outros sintomas comuns são dores abdominais nos períodos menstruais e dores durante ou após a relação sexual (dispaurenia).
Segundo a Drª Márcia Ribeiro, especialista em terapia sexual, neste texto elaborado por ela, nos informa que devido às dores, a infertilidade, e todo desconforto que a endometriose trás, começam a surgir os problemas no relacionamento, principalmente na vida sexual, gerando muita ansiedade para mulher, que se sente impotente diante do problema, ainda mais se não tiver sido diagnosticada. A mulher começa a evitar a relação, o sexo se torna aversivo, surgem às discussões, acusações, a autoestima fica baixa e vira um ciclo vicioso que precisa ser quebrado.
Vocês devem estar perguntando: quebrar como?
De acordo com Dra Márcia, primeiro, se surgirem sintomas diferentes procurar um médico para fazer o diagnostico, não posso me culpar, não devo permitir que me culpem, não posso achar normal uma cólica forte, uma dor ao ter relação ou qualquer sintoma que seja. Segundo, depois de feito o diagnóstico ver as formas de tratamento, ou seja, os medicamentos, as terapias, se informar, tirar qualquer dúvida, até as que julgarem desnecessárias, bobas. Por último colocar tudo em prática, ou seja, buscar as formas de tratamento.
Ela ressalta ainda que devido alguns medicamentos utilizados para tratar a endometriose pode diminuir a libido, causar secura vaginal, dificultando mais ainda o sexo. A mulher enfrenta dificuldades em encontrar posições mais confortáveis. A boa notícia é que a endometriose pode ser controlada, muitas mulheres mesmo após o controle continuam com o dano sexual. Uma das terapias que está ai para auxiliá-las é a terapia sexual. Muitas pessoas desconhecem sua existência e seus benefícios, outras têm vergonha de procurar um terapeuta sexual. Mas como essa terapia pode ajuda-las?
O terapeuta sexual vai fortalecer a autoestima da mulher, auxilia-la a conhecer melhor seu corpo, a encontrar novas formas de obter prazer que não seja apenas com a penetração. Muitas pessoas ainda tem a ideia retrograda de que sexo tem que ter penetração, que o orgasmo só acontece com a penetração e isso é um mito. Será ensinado técnicas que ajudaram a mulher voltar a sentir prazer com o sexo tradicional, reaprender o prazer que o sexo trás, provavelmente com a dor sentida antes, a pessoa começou a contrair os músculos pélvicos como reação involuntária do seu organismo a penetração, e com exercícios simples vai aprender a relaxar novamente os músculos.
 A mulher precisa voltar a sentir seu corpo como algo que pode proporcionar e sentir prazer. Buscar posições mais confortáveis. A ansiedade causada também será controlada, pois é um fator que atrapalha a atividade sexual, o estado emocional em si. Mas isso somente será possível com o apoio do parceiro, porque vemos muitos relacionamentos se desfazendo por falta de compreensão, informação, aceitação de ajuda. O diálogo é fundamental, em qualquer área do relacionamento, e no sexo não deixa de ser igual.Então minhas caras, não deixem a endometriose e a falta de diálogo acabar com vocês, o sexo não está aí para ser aversivo e doloroso e sim para ser um ato de demonstração de carinho, afeto, prazer. Lance mão de todos os tratamentos contra a endometriose, inclusive a terapia sexual. Portanto, que tal pelo ao menos tentarmos utilizar as dicas da drª Márcia, sabemos que não é tal fácil mas precisamos sem sombra de dúvidas buscar meios que possam nos ajudar a superar essa difícil fase que a endometriose tende a nos revelar.
 Caso desejam fazer perguntas para a Drª Márcia me envie que ela terá o maior prazer em responde-las: contato@endometriosemulher.com
Me envie sugestões de temas que vocês gostariam que trouxesse para vocês, que terei o maior prazer em buscar mais informações sobre a endometriose e outras doenças que ela pode nos acometer. A próxima matéria que trarei para vocês será dicas sobre como amenizar as dores da endometriose em entrevista com uma fisioterapeuta. Não percam!
Texto da entrevistada Drª - Márcia Ribeiro
     Psicóloga e Terapeuta sexual 



 Por:  Leda Gonzaga





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é importante para nós. Participe.